Dêgo (Para minha avó)

Minha amada avó, hoje é sábado, dia de paz no meu universo. Como a senhora bem sabe, sábados me lembram você. Porque a minha infância quase toda foi assim: acordar cedinho para passar o fim de semana ao teu lado e do vô. Dona Vanda tornou nosso encontro tão natural que é cultural para mim: netos mais próximos de suas avós e de seus avôs. Continuar lendo

Anúncios

Eu Gosto do Vento

Adoro a chuva
Essa ‘chave da renovação’
Que faz brotar vidas
E em mim idéias

Luva e frio
Isso de proteger coração
Pra abraçar vidas
E com elas ideais

Eu gosto do vento

Rezo para que meus irmãos
Tanham alimento
Pra forrar a barriga
Empurrando a lida
(Com sabedoria) Continuar lendo

Exército Particular

Acordei as 4 da manhã, ouvindo gritos que ecoavam da rua de cima. Gritos de pranto e apavoro. Abri a janela na tentativa de enxergar, e de longe observei uma moto. Em cima dela duas pessoas, assaltando um batalhador no ponto de ônibus no primeiro horário do itinerário. O senhor gritou que não possuía nada no bolso além da carteira com documentos, um celular velho e o bilhete único. Continuar lendo

Mundo Escola

Não fui um bom aluno na escola
E agora, formado, resolvi prestar atenção:
Sempre gostei de apreciar o mundo
O olhar das pessoas
Os sons
As letra
Os número Continuar lendo

Fera Bela

Porque eu amo os seres vivos!

A adolescência é uma fase de muitas descobertas, e a do sexo sem dúvidas é uma das mais especiais. Tem transa que é inesquecível. Logo em seguida me veio a descoberta da maconha no meu paraíso. Tem trago que é revelador. Meio que suavizou todas as descobertas posteriores. Continuar lendo

Lua Naná

Dez horas da manhã e este é o meu primeiro trago
A memória trouxe lembrança da Naná
Do jeito q ela bolava o béc
da roda
E da Lua no Sol fotografando tudo que era lindo
e ainda é
e sempre será
Hoje elas são mães… Mães que eu adoraria ter
Mas sabe,
Sou um irmão, por hora distraído
Sentindo que acordou de um sonho no meio da festa. Continuar lendo

Outra Copa

Nesta época do ano a mão que seca a lágrima congela o rosto:

Moradores de calçadas seguem pelas ruas tremendo e roendo as unhas
Eles tem faca e a fome é em dobro!
Criticados, humilhados e julgados por quem nunca os ajudou
Tem gente que até tapa o nariz para não sentir o odor do transeunte sem casa e sem preço no seu valor
Outra copa chegou e o Brasil piorou dois mil e dezoito vezes em quinhentos anos de atraso Continuar lendo